O crescimento da demanda deelectricidade, provoca incidências no acesso ao serviço em Monte Trigo

O crescimento da demanda deelectricidade, provoca incidências no acesso ao serviço em Monte Trigo

A APP informa sobre o funcionamento da Central Solar Fotovoltaica de Monte Trigo

A título do exercício de direito de resposta aos quadros informativos emitidos pela INFORPRESS (Setembro de 2018) e NOTICIAS DO NORTE (Dezembro de 2018) sobre a prestação de serviços energéticos na Central Solar Fotovoltaica de Monte Trigo, a empresa Águas de Ponta Preta, na qualidade de gestora desta infraestrutura informa o seguinte:


  • A aldeia de Monte Trigo (274 habitantes) foi a primeira localidade do país em alcançar os 100% de cobertura eléctrica a partir de energias renováveis em Fevereiro de 2012, graças ao projecto SESAM-ER (Serviço Eléctrico Sustentável para comunidades Isoladas com Energias Renováveis). Tratou-se de uma parceria público privada entre a Câmara Municipal do Porto Novo e um grupo de instituições públicas e empresas privadas de Cabo Verde, Portugal, Espanha e França, com um financiamento no fundo Energy Facility da União Europeia.

  • Desde do início do funcionamento da Central solar fotovoltaica instalada, esta já produziu 245 MWh de energia eléctrica, fornecida a 75 ligações domésticas. No ano em curso, a produção atingiu 39.464 kWh até Novembro, 14 % superior  que no mesmo período de 2017.

Gráfico 1. Geração anual da Central Fotovoltaicade Monte Trigo (kWh)
  • Igualmente, e precisamente no mês de Novembro registou-se um recorde mensal de produção eléctrica atingindo 4.516 kWh, o que faz que no decorrer do ano 2018 a produção média diária se elevasse até os 118 kWh, o maior valor conseguido nos 81 meses de atividade da central fotovoltaica.

Gráfico 2. Média anual de geração eléctricadiária (kWh/dia)
  • A disponibilidade de energia eléctrica com continuidade nos últimos 7 anos, tem elevado o nível de vida dos habitantes de Monte Trigo, permitindo e melhorando o acesso à iluminação interior e exterior (através da rede de iluminação pública), utilização de electrodomésticos e bem como o serviço de televisão e internet sem interrupção. Para além disso, a aldeia passou a dispor de duas máquinas de gelo para a pesca, a maior atividade económica, suprindo parte da demanda de gelo na localidade. Sendo que a unidade de produção de gelo funciona com a energia excendentária da central fotovoltaica. Mas o maior impacto do acesso a energia electrica em Monte Trigo, foi entrada da localidade na rota do turismo de Trekking e rural possibilitando algumas familias desenvolver algumas atividades economicas, para além das pescas.

  • É  verdade que se tem registado algumas incidências no funcionamento da Central Solar Fotovoltaica de Monte Trigo , advendo de um problema em um dos bancos de baterias de armazenamento de energia. Paralelamente a este incidente a demanda de energia tem crescido nos últimos tempos derivado ao crescimento de atividades relacionados com o turismo.

O problema com as baterias já foi reportado para a Câmara Municipal, e segundo a mesma esta despesa se encontra prevista no orçamento de 2019 e que iniciaram contactos junto de parceiros.  Enquanto isso, a gestão tem sido feita de forma a que os consumidores tenham o mínimo de interrupções possíveis, recorrendo igualmente ao gerador de emergência.


Mais uma vez se levanta o problema da sustentabilidade neste tipo de instalações e que há muito vem sendo discutida, com vista ao pagamento de um valor de energia a um preço mais justo e que cubra os custos de produção&manutenção e ainda a reposição de algum equipamento.


  • O aumento da demanda e a pouca radiação solar em algumas ocasiões, tem contribuindo para limitar as horas de iluminação pública, de forma a garantir o serviço doméstico.

  • A gestão do sistema eléctrica feito pela APP, tem sido até então para a empresa, como atividade de responsabilidade social, sem qualquer custo para os utentes. Os utentes  pagam a recarga dos cartões directamente à Câmara Municipal a uma média de 14 ECV/kWh, possivelmente o menor preço de electricidade pago em Cabo Verde.

  • A APP está a trabalhar junto da Câmara Municipal do Porto Novo, no projecto técnico e na procura de financiamento para aumentar a potência instalada da central fotovoltaica de Monte Trigo e da capacidade das baterias para poder dar cobertura ao crescimento da demanda de electricidade provocado pelo aumento do consumo. Para dar cobertura aos novos pedidos de ligação elécrica das novas construções. E Ainda, junto da edilidade, está-se a trabalhar em um projecto para aumentar a produção de gelo.

  • O projecto SESAM-ER tem abrangido outras atuações do tipo social, angariando fundos de parceiros desinteressados que permitiram a construção de uma ludoteca, equipada com livros para todas as idades e material didático (tais como dvs e filmes), computadores com acesso à internet. Outra grande actividade paralela é a melhoria arquitetônica da aldeia com o reboco e a pintura das fachadas das casas, sem qualquer custo para os habitantes.

O Mundo se encontra em plena transição energética para as energias renováveis e o sistema eléctrico de Monte Trigo representa o paradigma da sustentabilidade deste serviço básico em Cabo Verde. Trata-se de uma localidade descarbonizada (portanto amiga do ambiente e livre de emissões de CO2), com todos os benefícios que isto implica na saúde dos habitantes, e que não depende da conjuntura internacional para os preços da electricidade.


Written by pontapreta

Website:

0 comments

Leave a comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *